Luiz Henrique Lima Campos – Microsoft MVP

No Reino Unido, Google apaga dados coletados de redes wi-fi após seis meses

| 0 comentários

 

Carro do Google Street View utilizado na captação de imagens na Inglaterra; serviço coletou dados de redes wi-fi sem criptografia em países como Estados Unidos, França e Reino Unido

O Google terminou nesta segunda-feira (20) de apagar dados coletados de redes wi-fi britânicas. A coleta ilegal de dados foi descoberta há seis meses e atingiu vários países como França e Estados Unidos. O “roubo” de informações como e-mails e senhas ocorria durante a passagem de carros do Google Street VIew por redes inseguras.

Embora o Google tenha afirmado que apagaria as informações no fim de novembro, o início da operação começou na sexta-feira (17). Segundo a empresa, o atraso ocorreu, pois queria ter a certeza de que apagaria apenas as informações referentes ao Reino Unido. As informações são do jornal britânico “The Telegraph”.

“Nós estamos profundamente arrependidos por termos coletado informações de redes wi-fi sem criptografia no Reino Unido. Desde que anunciamos nosso erro, nós temos cooperado com as autoridades locais e trabalhado para aumentar nossos controles internos [referentes à privacidade]”, disse um porta-voz da empresa à publicação britânica. “Agora nós confirmamos que os dados coletados no Reino Unido foram apagados.”

Segundo Cristopher Graham, do escritório do comissariado de informações britânico – órgão que conduziu as investigações –, o Google estava utilizando uma brecha da lei de Proteção de Dados do país. Porém, a gigante das buscas concordou em ser auditada e não foi multada.

Nos Estados Unidos

Em comparação, nos Estados Unidos, o Google ainda não cedeu ao Estado os dados coletados no país. Segundo Richard Blumenthal, procurador-geral de Connecticut, a empresa tinha até a última sexta (17) para dar acesso às autoridades aos dados coletados acidentalmente. As informações são da agência de notícias AP.

Autoridades de outros estados americanos, como o procurador Blumenthal, querem ter acesso às informações coletadas pelo Google para verificar se a empresa acessou e-mails, senhas e outras informações pessoais dos usuários.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: